quinta-feira, 21 de agosto de 2014

BRASÃO DOS DEL SECCHI e SECCHI

Foto: BRASÃO DOS DEL SECCHI

Poemas de Roberto Castro Del`Secchi

O vento que passou

Pássaros passaradas
Voam na plenitude
Do espaço perdido

A vastidão onde o vento
Sopra o passado resumido
Em águas passadas pelo rio
Saudoso de minha mente perdida


Passou, passou o vento
E, levou para longe
Onde não mais a vejo.

Roberto Castro Del’ Secchi





Acabou...

Assisti alçar o vôo das últimas garças
Acabou a alegria no lago
As águas voltam a calma...

Era lindo o seu bailar
O bicar e esgarçar as penas
O branco refletido, a beleza...

A mesmice só interrompida pelo vento
O crepitar das ondas marulhentas
As margens sempre serenas...

No lago a distância azulada
Nos morros a paisagem inerte
Em minha alma, a saudade de sempre.



                                  Roberto de Castro Del’Secchi



A Vida e a Sorte


Trago em mim os pesadelos
De vagar na vida...
De viver só.
O alento que tinha, eras tu! 

O vento forte, a levou para a morte.
Deixou-me triste, soluçando dor.
Que vale agora, relembrar o tempo?
Se já não a tenho mais comigo.

Seguirei escrevendo sobre a
Saudade que você deixou.
Amargurando a vida,
Amaldiçoando a sorte!

Roberto Castro Del´Secchi


Recordando

Quando em minha mente
Vem a lembrança de Arraial do Cabo
Vem a visão dos rochedos, das ondas
Do mar bravio batendo.

Das gaivotas, do barco
Ao longe que desaparece
Na linha do horizonte.

Das grutas marinhas, das águas brancas
E espumosas.
Dos casarios ao entardecer,
Do sol ao deitar nas brumas,

Do dia e do tempo que se foi
Quando ali conheci, Lídia
Meu primeiro e único amor...

Roberto Castro Del'Secchi,


Três horas da madrugada
Esta é à hora da neblina e do encanto
Quando a lua sorrateira
Com o seu facho ilumina os montes, 
O fresco orvalho nas flores se faz presente
E o corvo voa silencioso
O opaco veste o ambiente, 
É hora de meditação. 
Que relembro meus tempos idos
Não escuto, na noite sequer um gemido. 
Eis me só, enclausurado em mim,
Mesmo não querendo, me sinto perdido...
Contudo, a vejo no meu aguçado,
Sentido...


SONHANDO E BAILANDO

Salão vasto
Decorado com lustre de cristal
Musica tocando
Eu e você dançando

A noite como vapor exalando
Eu e você no frenesi
De um amor doidivano

Não vemos o tempo passar
Rodopiando nossos pés
Quase entrelaçando

Giramos igual a terra
Em torno do sol
Numa delicia profana

Só assim vale a vida
Vivendo, bailando
E sempre amando e sonhando


Roberto C. Del’Secchi




           DE REPENTE

Você sorria, minha mente padecia.
Sua lembrança solapava-me
A cada instante que a via...

Sôfrega à minha frente caminhava
Com o receio de que a chamasse
 Sem saber ao certo o que

Ao encontrá-la, eu faria... 


Roberto Castro Del'Secchi

Conto Contigo



Conto contigo  para estar comigo,
Venha depressa enquanto eu existo,
Venha para mim toda sem castigo...


Conto contigo, para trazer-me abrigo
Aquecer meu coração que anda vazio,
Perdido neste mundo que ficou tão frio...


Conto contigo, no meu derradeiro exílio,
Que fui desterrado para morrer de saudades,
Só para sentir como seria feliz contigo...



                         Roberto de Castro Del’Secchi

                                                                Poeta e Antologista



Homenagem Póstuma ao Poeta Francisco Igreja


Morre o poeta
O sonho dorme
Falácia esmaece
Diante o surdo silêncio

A vida esvai
No último cântico
A dor fica no peito amante
Saudade esta sim eterna
Acompanhará para sempre
Como faço neste meu lamento

Em sua homenagem ergo a taça
Comungando contigo
Em sua glória

Um dia no infinito o encontrarei
Direi pessoalmente
Quanto foi lindo sua vitória


Roberto de Castro Del’Secchi

                            Extermínio

Mãos assassinas, enluvadas de negro,
A serviço da morte!
Violam todos os direitos humanos e religiosos.
Desconhecem de Deus o 5º mandamento;
Não matarás!

Como de um animal tiram todos os filhos,
aos poucos ou todos de uma só vez.
Na agonia a mãe nada pode fazer,
atônita imóvel fica.

Como Maria, com o filho ao descer da cruz
deita no colo insepulto, repousando
no ventre, o mesmo que formou e deu-lhe luz.
A noite longa parece não passar...

Na sombra do anonimato, assassinos covardes,
Cumpliciados com desgovernos, aliados à impunidade.
Pior que seja o erro, o castigo a vingança...
a vida só a Deus cabe dar e tirar!

Nada adianta, não tem retorno
àqueles que foram sacrificados.
E assim por diante outros lares,
Serão invadidos, outros seres serão arrancados, Abatidos, torturados e nas valas pútridas serão encontrados.

Com os olhos comidos, arregalados
ao céu, exclamando: Existe Deus?
Por que, tanta crueldade?

Novos parentes irão chorar por eles.
Que bandeira vai servir de mortalha?
Que terra essa, serão sepultados?

Onde estão os políticos, os direitos humanos,
os intelectuais, os arautos da justiça?
Poetas brasileiros chorem, cantem nos seus cânticos sentidos, digam não a tanta desumanidade!!!

Roberto de Castro Del’Secchi

Não Me Deixes



De pé paro no vento
Com as mãos apoiando meu rosto,
Nessa posição entro em transe.
E na memória mergulho no tempo
Que passou e nada me deixou.

Princesa dos meus sonhos dourados,
Como num passe,
Numa valsa vienense.
Num redemoinho desesperado.

Abraça-me, aperta-te contra mim,
Volta uma vez mais,
Deixa eu te amar,
Sem desperdícios, e com tantos beijos
               acordar neste paraíso.

Não me deixes partir
O tempo é ladrão, mau
Não deixe a neve,
Embranquecer os meus cabelos.
Quero viver para sempre
Nesse sonho que me prendeu na mocidade,
Lembrando-me de ti.
Não me deixes, amor...




Roberto de Castro Del’Secchi




             Pensando Em Ti







Só escrevo mentiras, só falo o que sinto
Talvez o que sinto, seja tudo mentira,
Mas só é verdade,
Tudo que eu penso...

Só penso em ti, quando estou distante,
Só falo em ti, quando estou ausente,
Assim passo meus dias, só com você,
-No meu pensamento...

Vivendo assim, já não é mais viver,
A vida a mim parece, um terrível tormento.
Porque, o que mais quero, é estar perto de ti.
-Neste exato momento...

Te fixo assim, como eu te vi,
No ultimo momento em que de ti, me despedi,
Com o olhar tão triste,
-Olhando para mim...

Agora, não sei onde andas,
Se vagas perdida, pensando em mim,
Ou se vives como eu, triste,
-Pensando em ti...





Roberto de Castro Del’Secchi
                     Poeta (Vassouras/RJ)




                   Processos

Se a história pudesse falar
A história real dos fatos
Muitos teriam que chorar
E nós ficaríamos estupefatos.

Se a história verdadeira
Nós pudéssemos torná-la palpável
Iria aparecer muita sujeira
E a muitos seria desagradável.

Por isso nem sempre os fatos reais
Por alguém é dito com prazer,
Pois existem seres, feras bestiais,
Dispostos a qualquer um, matar ou morrer...

                             Agosto de 1996
Roberto de Castro Del’Secchi